ORAÇÃO PELAS VOCAÇÕES

Jesus, mestre divino que chamastes os apóstolos para vos seguirem, continuai a passar pelos nossos caminhos, pelas nossas famílias, pelas nossas escolas. E continuai a repetir o convite a muitos de nossos jovens. Dai coragem às pessoas convidadas, dai forças para que vos sejam fiéis como apóstolos leigos, como sacerdotes, como religiosos e religiosas para o bem do povo de Deus e de toda a humanidade. Amém!

Essa é uma Oração pelas Vocações, fartamente rezada aqui no Brasil, com algumas versões levemente diferentes do ponto de vista gramatical, outras com inserções e/ou supressões. A autoria de texto é amplamente atribuída ao Papa Paulo VI.

Cedo duvidei de que tal texto fosse verdadeiramente do Beato Papa Paulo VI ou que, escrito por algum de seus Assessores, tivesse sido por ele aprovado e publicado como seu.

Primeiro porque, ao referir-se às pessoas convidadas, segue uma ordem que não é usual na linguagem eclesial de nível pontifício: apóstolos leigos, sacerdotes, religiosos.

Segundo porque o uso de, ao lado da palavra religiosos acrescenta religiosas. Aliás, por questão de coerência em tal erro, deveria dizer também apóstolas leigas. Pois  em português como em geral nos idiomas ocidentais, a palavra no masculino inclui os individuos do sexo feminino[1]. Assim ensinam os que entendem da gramática…

Terceiro porque, mencionando os religiosos, deixa de lado os membros de Institutos Seculares e das Sociedades de Vida Apostólica, modalidades não menos importantes de vida consagrada e de atividade apostólica.

Quarto porque parece limitar a possibilidade de  vocações, para esses diversos campos de atividade eclesial, aos jovens, sem qualquer referência a pessoas adultas ou de idade mais madura.

Quinto, porque omite totalmente o Diaconato, ordem distinta do Sacerdócio.

Assim, de alguns anos para cá tenho pesquisado, com o auxílio da Internet, a autoria do texto.  Encontrei, com o auxílio do Google, diversos sites em que tal oração aparece com a indicação, bastante difundida, de que seria de autoria do Papa Paulo. Por isso, sempre que o site contivesse o endereço eletrônico do seu patrocinador, enviei a este um E-mail solicitando que indicasse onde e quando teria sido publicado o texto atribuído ao Sumo Pontífice. Não recebi qualquer resposta, o que apenas fez aumentar a minha descrença quanto à autoria.

Passei a procurar então, em diversas línguas, algum escrito que começasse com Jesus Mestre Divino, associado a Vocações e a Papa, mas igualmente nada apareceu. Pesquisa no site do Vaticano igualmente nada encontrou com tais palavras em conjunto.

Recentemente, entretanto, como a procura através do termo castelhano Vocaciones associado a Papa indicasse Jornadas Mundiales por las Vocaciones, tratei de conduzir a pesquisa incluindo Paulo VI. E isso me levou a uma série de documentos editados pelo Papa Paulo, a partir de abril de 1964.

Penso ter encontrado, aí, a fonte da confusão semeada com a oração em tela.

É certo que foi o Papa Paulo VI quem instituiu uma Jornada Mundial de Oração pelas Vocações, a ser celebrada anualmente no Domingo do Bom Pastor. Vocações para Pastor, pois, e, portanto, para o Sacerdócio. O primeiro ano de celebração da Jornada foi 1964, e a 11 de abril de 1964 o Papa Paulo VI dirigiu aos fiéis de todo o mundo uma Radiomensagem, no final da qual consta, sim, o texto de uma Oração, mas que se refere às vocações para o Sacerdócio. Objetivo, aliás, da Jornada: a Jornada Mundial é referente às Vocações Sacerdotais, e não a Vocações para outros ministérios, encargos ou estados de vida.